Busca por conteúdo, posts e vídeos

5 LIVROS PARA TE AJUDAR A SE AMAR!

Vivemos em uma sociedade onde o “padrão” de beleza sempre foi forte, onde beleza está ligado a magreza, a seguir padrões estéticos, ter cabelo de tal jeito… A luta por essa quebra de padrões é intensa, seja na publicidade, nas redes sociais, na televisão, mas ela ainda existe!

Se você já deixou de colocar um biquíni para curtir o verão por vergonha do seu corpo, se já deixou de ir em uma festa por achar que não estava bonita o suficiente, se já mudou seu cabelo, fez dietas malucas, tudo para se encaixar no tal padrão, nós precisamos conversar.

Separamos 5 livros sobre autoestima, sobre se sentir bem com seu corpo, com vocês mesma, para te ajudar a entender que VOCÊ É LINDA DE QUALQUER MANEIRA.

A Arte de Ser Imperfeito

Brené Brown é pesquisadora americana que dedicou 13 anos de sua carreira realizando pesquisas sobre o comportamento humano. Neste livro “A Arte de Ser Imperfeito” a autora traz dicas e estratégias de como mudar a maneira que vivemos, como aproveitar a vida.

O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres

Naomi Wolf é jornalista e traz a questão do mito da beleza, de como a sociedade impõe um padrão a ser seguido, a opressão enfrentada diariamente. Durante a leitura você encontrará assuntos como distúrbios alimentares e mentais, desenvolvimento da indústria da cirurgia plástica e a indústria da beleza.

Fazendo as Pazes com o Corpo

Daiana Garbin é jornalista e foi diagnosticada com transtorno alimentar. Através desse livro, ela decidiu compartilhar sua história para ajudar as pessoas que sofrem em silêncio com essa doença e acabam deixando de aproveitar a própria vida.

Autocompaixão: Pare de se torturar e deixe a insegurança pra trás

Kristin Neff é professora, escritora e palestrante americana, neste livro ela aborda a questão de autocompaixão e com o próximo, frustrações, inseguranças e medos.

A Força que Há em Nós.

Dawn Watson traz neste livro a própria experiência, como ela encarou os medos e dores, como ela passou a se amar, compreender e aceitar quem ela realmente é.